• Localizada na cidade de São José dos Campos

Links relacionados

https://bit.ly/33k1SIT

https://bit.ly/2AZd3dQ

tecelagem parahyba

             A Tecelagem Parahyba foi uma das mais importantes indústrias da região de São José dos Campos, inaugurada em 1925 por um grupo de portugueses, entre eles Ricardo Severo, sócio do arquiteto Ramos de Azevedo. A confecção recebeu destaque pelo alto grau tecnológico e pela arquitetura inédita. Em 1933, passou a ser dirigida por Olivo Gomes, que se tornou proprietário e presidente da Tecelagem Parahyba. Essa mudança na administração representou uma série de transformações no funcionamento da fábrica e na vida dos trabalhadores, visto que na década de 50, com o auxílio de profissionais italianos, a produção foi voltada para cobertores de alto padrão. Além disso, Gomes trouxe para o Brasil maquinários europeus, inovação que exigiu uma maior qualificação da mão de obra local, surgindo então, a escola de alfabetização da Tecelagem Parahyba.

             Na década de 1960, a Tecelagem Parahyba continuou a crescer e expandir sua produção, assim foi destinado um alto investimento em publicidade. A marca Cobertores Parahyba foi responsável por uma das mais famosas campanhas publicitárias do Brasil, conhecida pelo jingle de sucesso “Já é hora de dormir”.

           Conforme a produção e o número de empregados cresciam anualmente, foi necessário a criação de um complexo fabril e de residências. Tais ampliações ganharam traços da arquitetura moderna e representaram grande avanço para o vale do Paraíba. Atualmente, temos como exemplo dessa arquitetura moderna a residência Olivo Gomes, situada no Parque da Cidade de São José dos Campos.

             Nos 1970, a fábrica chegou a dominar o mercado nacional e exportar para mais de 90 países. Entretanto, em 1982, com o fim do milagre econômico, a Tecelagem  Parahyba entrou em uma grande crise, com dívidas insustentáveis e paralisação de muitos funcionários, a fábrica pediu sua primeira concordata, avaliou e hipotecou bens para adquirir empréstimos. Na década de 1990 a família Gomes precisou entregar a Tecelagem e a sua residência para o Estado, a fim de quitar dívidas.

Vídeos Relacionados

imagens